16 de dez de 2011

4/8 REL.2011 5.2 - territórios, identidades, trabalho e conflitos



SUBPROJETO 5.2 - TERRITÓRIOS, IDENTIDADES, TRABALHO E CONFLITOS

PESQUISADOR/A
STATUS
OBJETO INVESTIGATIVO
Eloísa Azeredo
Mestranda UFMT
Trabalho e economia popular solidária
Liria dos Santos
Mestranda UFMT
Trabalho e produção dos saberes
Rosana Manfrinate
Mestre / SEMA
Gênero e relações com a água
Michelle Jaber
Doutoranda UFSCar
Mapa dos conflitos socioambientais
Samuel Oliveira
Dr, REMTEA
Avifauna e etnoconhecimento
Regina Silva
Dra, Instituto Caracol
Mapa social
Edson Caetano
Dr, educação UFMT
Mapeamento da cultura do trabalho
Lia Tiriba
Dra, UFF
Produção associada (colaboradora eventual)
Alexandre Farias
Dr, Economia
Economia ecológica

Parceiros: SEMA, UFSCar, REMTEA, Instituto Caracol (iC), UFF
Suporte financeiro extra: CNPq (mapa social) e FAPEMAT (mapa social)
Participantes diretos: 250 pessoas

OBJETIVOS GERAIS
Busca compreender o território para além de um mero espaço geográfico, mas um ambiente que possui vidas. Na tessitura cultural, compreende as identidades existentes e seus conflitos socioambientais, bem como os desejos da melhoria da qualidade de vida. Na existência humana, o subprojeto compreende o trabalho como um meio identidário, pesquisando as relações táticas de trabalho e suas relações ambientais. Com forte interação com a avaliação ecossistêmica do milênio, busca, ainda, compreender o conhecimento biorregional sobre a avifauna e suas relações com os trabalhos ecossistêmicos. Enfatiza o papel das mulheres e os conhecimentos tradicionais passados de geração a geração, com cuidados com a saúde, trabalhos e empoderamento feminino.



Figura 4: interação do subprojeto 5.2 com os demais laboratórios



METODOLOGIA
Fenomenologia (Maurice Merleau-Ponty) para compreensão e interpretação das percepções socioambientais que os moradores possuem do território, conflitos, avifauna, trabalho e relações de gênero. Pesquisa participante (Paulo Freire) e materialismo histórico (Karl Marx) no sentido da reinvenção econômica mais comunitária, com alternativas aos modelos de vida. Da possibilidade de interpretar os agravos ambientais e suas intrínsecas relações com a sociedade por meio da pesquisa do mapa social (Regina Silva). Observação participante, entrevistas semiestruturadas e não estruturadas, pesquisa bibliográfica, cartografia e processos formativos.

RESULTADOS
1.       Mapa social da região pantaneira com as principais identidades dos grupos sociais vulneráveis [figura 5];
2.       Mapa dos conflitos socioambientais do Pantanal [figura 6];
3.      Matriz de identificação dos principais conflitos socioambientais no Pantanal (apêndice A);
4.      Mapa das comunidades Pantaneiras do Estado de Mato Grosso [apêndice B];
5.      Principais causas dos conflitos [figura 7];
6.      Atividades da economia solidária no Pantanal [tabela 1];
7.      Razões para atividades da economia solidária [tabela 2];
8.      1 tese de doutorado concluída na UFSCar (Samuel Borges de Oliveira Jr);
9.      Caderno pedagógico da avifauna e expressões culturais de Joselândia;
10.   Caderno pedagógico do mapa social de MT, que inclui o Pantanal.


Figura 5: Mapa social dos grupos vulneráveis do Pantanal





Figura 6 e 7: principais causas dos conflitos socioambientais no Pantanal (%)



TABELA 1
Atividades voltadas à Economia Solidária na região do Pantanal Mato-grossense
Municípios envolvidos na pesquisa
Quantidade
Barão de Melgaço
15
Cáceres
11
Nossa Senhora do Livramento
25
Poconé
39
Santo Antônio do Leverger
7
TOTAL
97

TABELA 2
Motivação da criação dos empreendimentos da Economia Solidária

Motivos
Total
1. Uma alternativa ao desemprego
308
2. Obtenção de maiores ganhos em um empreendimento associativo
236
3. Uma fonte complementar de renda para os(as) associados(as)
377
4. Desenvolvimento de uma atividade onde todos são donos
239
5. Condição exigida para ter acesso a financiamentos e outros apoios
222
6. Recuperação por trabalhadores de empresa privada que faliu
2
7. Motivação social, filantrópica ou religiosa
61
8. Desenvolvimento comunitário de capacidades e potencialidades
84
9. Alternativa organizativa e de qualificação
90
10. Outro.
56

EM PLANEJAMENTO
·        Um curso de extensão sobre economia popular solidária à comunidade de Joselândia, com foco aos membros da associação de micro produtores rurais;
·        Mapeamento da cultura do trabalho no Pantanal;
·        Intercâmbio entre as comunidades para aprendizagem coletiva sobre a economia popular solidária;
·        “Atlas” socioambiental do Pantanal (cultura do trabalho, avifauna, conflitos socioambientais, grupos sociais vulneráveis, trabalhos ecossistêmicos, terras indígenas, expressões artísticas, mitológicas e culturais, entre outras informações).

Nenhum comentário: