19 de jul de 2012

Novas espécies de fungos comprovam riqueza da Amazônia

((o)) eco
http://www.oeco.com.br/fauna-e-flora/26256-novas-especies-de-fungos-comprovam-riqueza-da-amazonia?utm_source=newsletter_445&utm_medium=email&utm_campaign=as-novidades-de-hoje-em-oeco

 
O Scleroderma minutispora, encontrada na Amazônia, foi nomeado assim por causa dos seus pequenos esporos.
Fungos são organismos surpreendentes e imprescindíveis para o funcionamento dos ecossistemas terrestres, sendo responsáveis pela decomposição de matéria orgânica e pela reciclagem de nutrientes em florestas do mundo todo. Na Amazônia eles são ainda pouco conhecidos, embora a sua importância ecológica seja imensa. Para reduzir essa carência no conhecimento científico é necessário coletá-los não apenas em diversos locais, mas também em vários momentos no tempo, pois a maior parte deles frutifica em ciclos rápidos e sazonais.

Na Reserva Ducke, em conjunto com um time que reuniu especialistas em taxonomia, encontrei as 3 novas espécies de fungos gasteróides.  Elas incluem uma nova espécie do gênero Scleroderma e outras duas do gênero Morganella.  O resultado deste trabalho levará a publicação de um Guia de Fungos Macroscópicos da Amazônia Central, que fará parte da série de guias publicados pelo Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) que já tem volumes sobre sapos, lagartos, samambaias e ervas da ordem Zingiberales.

A maior parte dos fungos desconhecidos pela ciência está em florestas tropicais no mundo todo. A Amazônia, maior extensão de floresta tropical do planeta, é particularmente pouco estudada e guarda ainda centenas de descobertas, algumas das quais podem ter aplicações importantes na indústria farmacêutica e na alimentação humana. Mais espécies deste e outros grupos de fungos estão em processo de descrição e serão publicadas em breve.

Os trabalhos sobre essas descobertas foram escritos em parceria com os pesquisadores Iuri Baseia e Alfredo Leite, e saíram recentemente na revista especializada em taxonomia de fungos Mycosphere.

Morganella rimosa foi nomeada devido à superfície do perídio repleta de rachaduras
 

 
Morganella albostipitata é uma espécie distinta das demais pelo “pé” branco

Nenhum comentário: